segunda-feira, 16 de julho de 2012

Os últimos dias . . .





Já se passaram quase 20 anos desde que eu tive uma conversa que mudaria minha vida. Vinte anos desde que um menino entrou em meu escritório e me disse que talvez essa fosse história mais fantástica que eu iria ouvir toda a minha vida. Uma história que está presa em minha mente tão claramente todos esses anos. Claro, eu não acreditava então, mas agora, depois de tantos anos, depois da vida que eu vivi desde aquela conversa, eu não posso ajudar, mas acho que está de volta a culpa, arrependimento, e agora, finalmente, o medo.





Eu era um diretor, então, em uma escola primária em North Schaw, faltavam cerca de seis anos para eu me aposentar. Um rapaz chamado Chris foi enviado para o meu escritório por bloquear outros dois estudantes no armário de uma sala de tecnologia, onde mantínhamos equipamentos para as aulas de ciências ensinadas na escola. Eu sabia dele, sabia que ele era um bom aluno, ele compartilhou uma vez um trabalho em uma assembleia de escola. Ele sempre me pareceu muito brilhante e um pouco tímido. Não foi assim naquele dia. Ele estava fazendo muito barulho, eu me lembro, porque foi enviado para me ver.

"Não é certo, isso não está certo", repetiu ele várias vezes como Jose, seu professor, praticamente o levaram para dentro da sala. Ela explicou a situação para mim e depois à orientei para voltar para sua classe. Lembro-me dele sentado em silêncio, e eu olhando para ele por trás de minha mesa, olhando com cenho franzido, com ar de insatisfação . Uma e outra vez ele disse que:

"Isso não está certo, não é suposto ser assim."

Ele olhou estranho, em pânico e perturbado, embora fosse um motivo razoável, eu não esperaria uma criança de dez anos, em meu escritório de diretor. Seus olhos corriam para trás e para frente, como os meus em muitas vezes quando em explosões de pensamento rápido. Eventualmente, eu falava sobre ele.

"Christopher. Isto é muito decepcionante."

Eu sempre usei o nome completo primeiro quando estava dando uma bronca em uma criança, quando faço isso parece muito mais grave. Ele tomou pouco se importou e continuou repetindo as mesmas palavras que eu dizia, me olhando completamente confuso.

"Christopher. Christopher. Olhe para mim quando eu estou falando. Christopher!"

Eu lembro que eu levantei minha voz para quase um grito, como eu disse o nome dele que da última vez, algo que raramente fazia. Seus olhos serrados minavam lagrimas, ele se calou. Eu esperava vê-lo furioso, fazer uma criança chorar é uma coisa terrível, e então comecei novamente num tom mais calmo:

"É decepcionante te ver por aqui..." E então ele me interrompeu...

"Olha, algo está errado nesse lugar. Isto não é normal. Eu nunca teria feito aquilo."

Fiquei chocado ao ser interrompido, mas o que me assustou, o que me deixou sem palavras para aqueles poucos momentos, foi a maneira como ele falou. Sua voz não era a de um jovem rapaz, com certeza, mas como se estivessem sob o controle de alguém muito mais velho. Sua dicção era clara e precisa, o seu tom de voz tinha forma madura e séria.

"Eu só preciso pensar por um momento, eu posso resolver isso. Eu só preciso pensar."

Seus olhos voltaram para o seu correndo para lá e para cá. Eu tinha encontrado a minha voz agora.

"Eu espero que você escute quando eu estou falando com você jovem. Não me interrompa quando eu estou falando."

Seus olhos se fixaram em minha mesa de novo e ele falou antes que eu pudesse continuar.

"Claro, claro, Ok. Olhe, dê-me cinco minutos para falar ok. Cinco minutos, isso é tudo que estou pedindo."
Eu não sei o que me fez fazer isso, talvez fosse apenas a particularidade de toda a situação até agora. Sentei-me na minha cadeira, tirei o cachimbo da minha gaveta de cima e comecei a encher seu fim com o tabaco, ainda estava permitido fumar dentro de casa neste momento na Grã-Bretanha.

"Cinco minutos".

Acendi o cachimbo e coloquei em minha boca, apontando que ele se sentar em uma cadeira ao lado de minha mesa, o que eu fiz, eu o deixei falar.

"Ok, como eu... Eu já estive aqui antes, não nesta situação, mas nesta escola, neste momento, eu vivi isso antes. Eu tenho... você já viu o filme Feitiço doTempo? "

Eu balancei minha cabeça.

"Ok, bem... você já pensou em voltar no tempo, de volta para um ponto anterior, mas como você está agora? Viajando de volta para refazer parte de sua vida com o conhecimento que você tem agora? Bem, é isso o que aconteceu comigo, só... só que eu não posso controlar isso, e eu não posso parar."

Ele sentou-se um pouco mais na cadeira agora, seu rosto tornou-se sombrio quando ele olhou para fora da janela do outro lado da sala.

"Eu vivi uma vida normalmente até que o meu aniversário de trinta anos chegou, e então eu acordei com quatro anos, de volta a uma casa que eu não vivo á vinte e quatro anos. Parece ótimo, ser jovem novamente, chegando a voltar atrás e fazer as coisas melhores... mas é um pesadelo. Da primeira vez, que isso aconteceu eu tinha sido um médico de filosofia, antes eu, eu poderia fazer matemática avançada, citações de Shakespeare, tocar piano, foi divertido. Eu era um prodígio. Mas toda a atenção que eu tinha para mim, foi tirada por meu irmão mais novo. Ele era o mesmo irmão que eu tinha conhecido antes. Mas com a diferença de que ele não existia."

"Com tanto tempo e esforço colocado em mim, meus pais não tiveram mais filhos. Eu tive outro irmão e irmã antes, e de repente eles não existiam, e foi por causa de mim. Eu tentei dizer às pessoas sobre o que estava acontecendo, mas isso é uma coisa difícil de provar. Eu disse a eles resultados esportivos que ainda não haviam acontecido, avisei de desastres naturais. Quando se tornou evidente que as minhas previsões estavam certas, fui levado para estudar fora.”

Drogado em um quarto branco forrado. Você não pode imaginar quanto tempo pode demorar vinte anos em uma cela acolchoada...?"

Ele ficou em silêncio por um momento, olhando fixamente para fora da janela. Então seus olhos voltaram para mim.

"Mas aconteceu de novo, eu acordei uma manhã na casa de meu pai vinte e seis anos mais jovem. Essa é a segunda vez, meus pais tiveram mais dois filhos, mas eles não eram o irmão e a irmã que eu deveria ter tido. Eles eram diferentes, e os outros tinham ido embora. Agora, se eu tentar conseguir que os primeiros voltem estarei enviando duas outras crianças para fora da existência. Você não pode imaginar a culpa... "

Levantou-se então, e se aproximou para olhar para mim.

"Agora eu preciso de sua ajuda. Esta é a minha décima segunda vez. Acho que se posso fazer isso direito, se eu conseguir manter tudo do jeito que supostamente deveria ser, talvez continue. Talvez eu não tenha que continuar fazendo isso. Eu não deveria ser enviado para cá, você não deve falar com minha mãe sobre isso. Olhe..."

Ele pegou um pedaço de papel e uma caneta e começou a escrever algo. Ele entregou depois de um momento. Eu esqueço o que tinha escrito exatamente, algo extremamente complexo, provavelmente matemática.

Eu disse: "Um garoto de 10 anos deveria saber essas coisas."

Ele pegou outra folha e começou furiosamente a escrever novamente. Nomes, datas, eventos, ele passou para mim.

"Eu sei que parece loucura agora, mas apenas, apenas olhe. Estas são todas as coisas ainda estão por vir, você vai ver, tome. Aposte nos resultados, faça algum dinheiro. Mas por favor, não interferira agora, ou outra vez. Você não esta supostamente envolvido neste processo. "

Lembro-me apenas de um pouco da conversa depois disso. Foi ridículo, o que ele estava dizendo, como eu poderia acreditar. Eu disse para ele parar de falar bobagens e mandei que voltasse para sua classe. Liguei para sua mãe em meu escritório, quando ela chegou para buscá-lo e lhe contei sobre seu mau comportamento e essa explosão estranha. Eu mantive a sua lista, porém, eu não sei por que fiz isso, mas eu guardei-a, seguramente arquivadas no meu escritório em casa.

Eu li em um artigo alguns anos depois que Chris havia se matado, na época ele me disse que seu irmão segundo deveria nascer. Soube mais tarde que sua mãe tinha fracassado. Eu me preocupo agora se isso foi obra minha. Talvez se eu tivesse feito o que ele pediu as coisas teriam sido diferente, quem sabe o efeito que teve aquela conversa que tive com ela.

É, agora a tarde, dia 21 de Julho de 2017, um dia antes que Chris teria completado 30 anos. Tudo sobre a lista que menino furiosamente anotou naquele dia aconteceu. Vitórias da Copa do Mundo, furacões, o bombardeio das torres gêmeas sobre os EUA. Tudo exatamente como ele escreveu.

Mas agora os meus pensamentos se voltam para amanhã... O que acontecerá comigo? O que acontece com minha filha, aos meus netos? Se tudo ocorresse de novo para que ele pudesse viver novamente, onde nós estaríamos? Não podemos continuar sem ele. Será que nunca mais ele vai acordar com 4 anos novamente? Será que simplesmente desapareceu?

Eu vivi uma vida longa e eu tenho visto muitas coisas, mas nenhuma me assombrar tanto como essa conversa, e eu nunca senti tanto medo, tanto quanto tenho hoje.

E amanhã...

Amanhã será o ultimo dia...

Se ele realmente aparecer de novo, eu espero acreditar...


4 comentários:

  1. Caramba! O final desse conto (dessa parte) está perfeito! Acho que não precisa nem de continuação!

    ResponderExcluir
  2. Prezada CLP, ando com sérios problemas para postar meus comments no blog, há algo que possa ser feito?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que tá acontecendo? me explique o problema @__@ ?

      Excluir
  3. MARAVILHOSO!
    Quero a continuação logoooo =P

    ResponderExcluir