terça-feira, 21 de agosto de 2012

O Pesadelo





São 11 horas da noite.

Eu estava começando á adormecer, mas ainda me mexia um pouco na cama, o som dos cobertores, era o único som. Eu comecei a sonhar, um sonho calmo e bom, mas eu não sabia se estava apenas imaginando aquilo de olhos fechados ou sonhando.

Quando estava chegando na parte boa do sonho...




Eu ouvi a porta do meu quarto se abrir, e junto com seu rangido eu ouvi o sussurro de meu nome...

De repene eu estava acordado, atento e assustado... meu coração começou á palpitar mais forte, e eu me encolhi dentro das cobertas...

Eu disse "Sim?". Eu estava apreensivo e pensando estar ouvindo coisas.

Então percebi que era a voz da minha mãe, o sussurro estava mais nítido. "Posso entrar no quarto?" 
Sentei-me lentamente na cama, e com um suspiro de alivio e disse: "É claro que pode mãe".

Ela caminhou lentamente pela porta, olhando para mim, eu percebi sua figura na escuridão, sua camisola branca, ela parecia calma. Eu comecei a ficar preocupado, pensando que ela estava passando mal...

"O que há de errado mãe?". Notei uma hesitação enquanto ela fazia o caminho ao lado de minha cama. Eu me estiquei para acender a luz... E ela disse:

"Não, não, não, não acenda a luz. Eu não quero acordar sua irmã". Ela então se sentou na cadeira entre minha cama e a de minha irmã.

Fiquei com vontade de me deitar, mas esperei que ela falasse o que ela tinha. "O que aconteceu?" "Bem, eu não conseguia dormir, fiquei pensando no que está prestes a acontecer com a sua irmã".

Sua expressão se alterou, e sua cabeça se inclinou para o lado, enquanto ela voltava seu olhar para a cama de minha irmã.

“Espere... do que você esta falando?"

 Ela, então, diz: "Não se preocupe, você vai será ..."

Algo interrompeu minha mãe. Notei então que ela não estava mais olhando para mim nem para a cama de minha irmã. Ela estava olhando para a porta de meu quarto.

Eu me virei lentamente para a porta... Na porta havia uma figura feminina, uma mulher de cabelos longos, e camisola branca. Era minha mãe.

"Com quem está falando Tiago?". Pergunta sua mãe encostando-se na porta.

Confuso, viro lentamente a cabeça para olhar minha mãe ainda sentada na cadeira entre as camas. Ela estava olhando agora para baixo, com seu cabelo cobrindo o rosto, ela estava em silencio.

Estico-me novamente para chegar ao interruptor. Ao fazer isso, minha suposta mãe, sentada na cadeira ao meu lado começa a rosnar, já não soando como minha mãe... parecia mais um animal.

Quando acendo a luz...

O que esta sentada na cadeira é uma criatura...

O meu pior pesadelo.






Nenhum comentário:

Postar um comentário