terça-feira, 18 de setembro de 2012

A Diversão de Norris




Você tentou manter-se o mais silencioso possível, o que era difícil. Tudo te fazia correr, e ficar cada vez mais cansado, você respirava pesadamente.

Você não sabe se deve manter a sua lanterna ligada ou desligada. Você achou algumas das notas, até agora, mas não tem a menor ideia de onde encontrar mais, nem se estão na sequência correta. Mas que importa? O que você pode fazer? No começo você achava que sabia por que ele estava atrás de você, seus olhos e  lábios. Todas as coisas que ele não têm. Mas logo você descobriu que você não foi o único, a ser perseguido. Por que ele não toma as suas características faciais?

Quem se importa?! Ele nem sequer precisa delas!




Você sentou-se no canto de um quarto, as notas espalhadas na sua frente. Havia um desenho, com apenas ele e as árvores ao redor dele, você gostou de receber alguma informação. Ao menos agora, você sabe que não esta seguro entre as arvores.

Às vezes você se sentia como se ele fizesse isso para seu próprio entretenimento. Como se ele gostasse. Mas você tem que procura-lo? Talvez ele deixe você viver se encontrar as notas. Na primeira, ele apenas se arrastou atrás de você. Quanto mais você chegava perto de uma nota, mais ele se fingia de ameaçado.
Sua lanterna começou a piscar, tirando-o fora de seus pensamentos, e você parou de fazer aquela cara catatônica. Será que ele te encontrou? Isto não tinha acontecido antes, mas ele estava chegando mais perto á cada vez que você progredia em sua pesquisa... Você não sabe muito sobre ele, mas ele trata você como se você saiba o suficiente para ser uma ameaça. A luz de sua lanterna finalmente se apaga depois de horas de cintilação. Você reuniu todas as notas que tem e enfiou-as no bolso do seu casaco. Seria mais fácil se tivesse de começar a correr, se ele te encontrá-se.

Você bate na lanterna, tentando fazê-la funcionar. Quando isso não aconteceu você se livrou dela, era sua única esperança, aquela lanterna, não foi uma boa ideia. Por um milésimo de segundo, quando você á jogou longe ela piscou, você ficou olhando para ela como se ela fosse a luz no fim do túnel. Ela era. Seus lábios se curvaram em um sorriso, você se sentiu menos sozinho com alguma claridade. Seus olhos seguiram o feixe, que levou a uma gravata preta. Você estava com muito medo de desfazer o sorriso do seu rosto.
Você tinha congelado.

Tenho certeza que quando a sua visão começou a borrar, você saiu de seus sentidos, e por isso saiu correndo tão rápido quanto você pode, de volta a aquele quarto. Quando você finalmente chegou a porta do lado de fora, você olhou para trás para ver se ele estava atrás de você. Você suspirou de alívio ao ver que ele não estava. Você entrou tão silenciosamente quanto podia, fechando a porta bem devagar e inspecionando cada canto, até encontrar uma nota, que estava em seu território. Um desenho, com um de seus nomes que era "O Homem Árvore".

Você achou que estava encurralado na cabana, então saiu dela, e foi de novo para a floresta.

Cada vez que seu pé esmagava uma folha, você se assustava, na verdade qualquer ruído o assustava. Mas você sabia que era o silêncio que você devia temer mais. Mas você não poderia prevenir a si mesmo. Você viu algo branco sobre uma árvore. Uma nota. Você franziu a testa, sem vontade de ler sua próxima pista, mas você tinha que ler.

Quando chegou à árvore, você pegou o pedaço de papel. Que tinha escrito: "Não olhe para ele... Ou ele vai pegá-lo". Dizia. Olhar para ele, isso é tudo o que tinha que fazer. Não olhar para ele. Mas então você percebeu. Ele estava bem atrás de você.

Você se virou, com os olhos fechados. Morrendo de vontade de abrir, para analisar seu rosto em branco.

Você sentiu que ele tinha ido embora, e que não fora capaz te matar. E assim que se sentiu seguro, seus olhos se abriram... Mas lá estava ele.

Era aterrorizante, mas você não conseguia desviar o olhar. Era diferente de qualquer outra face que tinha visto.

Mas a cada segundo, tudo se tornava menos visível, as linhas tornaram-se menos distintas.

E então, finalmente, você não podia ver, tocar, nem ouvir nada.

Ele enfiou um de seus braços em seu ouvido, e o mesmo saiu pelo outro, seus olhos sangraram no momento em que ele esmagou sua cabeça, e é claro que você ficou desacordado...

Mas eu estava ao longe, escondido, observando, tentei te avisar com os bilhetes, mas você...
Foi muito estúpido...!!


"Agora que lhe contei tudo isso... sabe que não poderei te salvar."


Minha caçada continua, esse tal de Slenderman, não é nada, e o que ele fez com você, não é nada comparado ao que eu farei com ele.


Chuck Norris.

5 comentários:

  1. Chuck Norris facts...rsrsrsr. Muito bom...

    ResponderExcluir
  2. E sabemos o final dessa história: o slenderman foi reduzido a lenda.

    ResponderExcluir
  3. GOSTEI MUITO DESSA HISTORIA, PARABENS kkkkkkkkkk no meio da historia eu nao tava entendendo nada do porque do Chuck Norris, mas no final eu me liguei kkkkkkkkkkk parabens, demais essa história

    ResponderExcluir